" Na natureza, nada se cria nada se perde, tudo se transforma." Lavoisier



segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Como se dar a formação da urina?

  Envolve 3 processos: Filtração glomerular, reabsorção tubular e secreção tubular.
  Uma substância para ser reabsorvida deverá passar através da célula tubular, difundir-se no meio intersticial e transpor o endotélio capilar para atingir o seu lume.
  Uma substância para secretada deverá passar pelo endotélio do capilar, difundir no meio intersticial e transpor a célula epitelial tubular para atingir o lume do túbulo.  4
FILTRAÇÃO GLOMERULAR 
  No glomérulo há formação de um ultrafiltrado do plasma sangüíneo que é chamado de filtrado glomerular e que será recolhido pela cápsula de Bowman.
  Forças Envolvidas
Pressão hidrostática capilar glomerular = 60mmHg = favorece a filtração
Pressão hidrostática  espaço de Bowman = 18 mmHg = Opõe-se a filtração
Pressão coloidosmótica  capilar glomerular = 32 mmHg = Opõe-se a filtração
A diferença de 10 mmHg é a pressão de Filtração 
  A membrana glomerular é porosa e permite a passagem de pequenas moléculas 
(menores que a albumina;  < 4nm) e solutos em geral, além de líquido
plasmático

REGULAÇÃO DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR
De um modo geral, o aumento da pressão arterial sistêmica, a vasodilatação da arteríola aferente e a vasoconstrição de arteríola eferente são capazes de aumentar a taxa de filtração renal.

SISTEMAS REGULADORES
  Sistema Renina-Angiotensina-Aldosterona, Retroalimentação tubuloglomerular, reflexo miogênico e fatores extra-renais

SISTEMA RENINA-ANGIOTENSINA-ALDOSTERONA  
As Células Justaglomerulares da parede da arteríola aferente, em face da diminuição da pressão de perfusão e da pressão sistêmica,  secretam o hormônio Renina que leva a formação de angiotensina II.

Angiotensinogênio ======> angiotensina I =============> angiotensina II
                         Renina                            ECA (pulmão e rins)

Ações da Angiotensina
  promove a vasoconstrição tanto sistêmica  quanto da arteríola eferente com conseqüente aumento da taxa de filtração. Esse  processo de auto-regulação permite que a taxa de filtração seja mantida mesmo quando o fluxo sanguíneo renal é baixo. Impede a falência renal na hipotensão arterial.
  Estimula a liberação da aldosterona  (mineralocorticoide adrenal ) que promove a reabsorção do Na+
 que carreia água para o leito capilar auxiliando no aumento da pressão arterial
  Induz a liberação de ADH que aumenta a reabsorção de água e uréia
  Estimula a produção e liberação de prostaglandinas vasodilatadoras renais , E2 e
I2(prostaciclina) que atuam como moderadores do efeito vasoconstritor (feed-back) 
                                                                                                               
 RETROALIMENTAÇÃO TUBULOGLOMERULAR 
 (Aparelho Justaglomerular)
  As células da Mácula densa mácula densa, localizada entre as arteríolas aferentes e eferentes adjacentes a região mesangial,  são sensíveis à baixa concentração de Na+ e Cl- no fluido tubular que sofreu maior reabsorção destes íons em face da menor velocidade de fluxo.  Ocorre a dilatação da arteríola aferente com aumento do fluxo e da pressão hidrostática com aumento conseqüente  da taxa de filtração glomerular.
  Os mecanismos relacionados a macula densa podem envolver liberação de derivados endoteliais de efeitos vasodilatadores  (oxido nítrico, PGI2 e PGE2 ) ou vasoconstritores (endotelina, tromboxano A e a angiotensina II)

REFLEXO MIOGÊNICO 
Resposta das arteríolas glomerulares frente ao aumento na tensão da parede arteriolar, tendo como
resultado uma constrição arteriolar imediata

FATORES EXTRA-RENAIS
São fatores sistêmicos para o controle do volume sangüíneo e o tônus vascular 

Fatores que atuam  e aumentam o volume sangüíneo:
  Aldosterona, 
  Vasopressina
  Glicocorticóides
  Progesterona
Obs* Foi evidenciado que um peptídeo produzido pelo átrio cardíaco (peptídeo natriurético
atrial - PNA) pode causar a natriurese e diurese. 

Fatores que atuam sobre o tônus vascular (Vasoconstrição)
  Catecolaminas
  Vasopressina.
  Estímulo β-adrenérgico que pode ativar o sistema Renina-Angiotensina
  Estímulo α-adrenérgico que pode causar vasoconstricção renal. 
  Fator de crescimento semelhante a insulina (aumenta a Taxa de filtração)

REABSORÇÃO E SECREÇÃO TUBULAR
  Os processos de reabsorção e secreção ocorrerão na medida em que o fluido
tubular coletado pela cápsula de Bowman percorre os diferentes segmentos do
néfron.
  Na cápsula de Bowman o ultrafiltrado  é idêntico ao plasma.  É rico em Na+, glicose e aminoácidos

NO TÚBULO CONTORCIDO PROXIMAL (TCP)
  Ocorre reabsorção  do Na+ , da glicose e dos  aminoácidos para o meio intersticial e
daí para os capilares peritubulares
  A glicose e os aminoácidos utilizam o mesmo carreador do Na+ para entrar na célula
tubular sendo portanto sem gasto de energia
  No interior da célula tubular ocorre o desacoplamento e difusão simples para o meio intersticial e de lá para os capilares peritubulares.
  O aumento do gradiente osmótico no meio intersticial favorece a reabsorção da água
do túbulo para o meio intersticial e daí para os capilares
Obs* favorecem a reabsorção da água para o capilar a menor pressão hidrostática e
maior pressão coloidosmótica
  A remoção de água do lume tubular leva a uréia por difusão simples para o meio
intersticial e daí para o capilar.
  O TCP absorve 65% da Água, Na+, Cl- e HCO3- e 100% da glicose e Aminoácidos

Obs* Todos os segmentos do néfron poderão secretar H+ e Amônia e reabsorver o HCO3-
 para a manutenção do Equilíbrio Ácido Básico.
  No final do TCP a osmolaridade do fluido é de 300mOsm (280, 20)  =>  280 de Na+ e outros eletrólitos e 20 de Uréia


NA ALÇA DE HENLE DE ALÇA LONGA
Ocorrência de um mecanismo de contracorrente que aumenta a concentração de soluto,
principalmente NaCl e Uréia.



NO TÚBULO CONTORCIDO DISTAL (TCD)


NO TÚBULO COLETOR CORTICAL  e  DUTOS COLETORES


VASA RECTA
Os ramos descendentes e ascendentes são permeáveis à água e aos solutos que se
encontram no meio intersticial
NO RAMO DESCENDENTE
  A osmolaridade no meio intersticial aumenta na medida que se aprofunda na região medular do rim
  Com isto ocorre saída de água do capilar para o meio intersticial e absorção de solutos do meio intersticial para o capilar
NO RAMO ASCENDENTE
  A osmolaridade no meio intersticial diminui na medida que se aproxima da região cortical do rim
  Com isto há retorno da água para o leito capilar e do soluto para o meio intersticialm.
A osmolaridade do plasma no início do ramo descendente na região cortical renal é de 300 mOsm e no final do ramo descendente na mesma região cortical renal é somente levemente mais alta, cerca de 325 mOsm..


Nenhum comentário:

Postar um comentário