" Na natureza, nada se cria nada se perde, tudo se transforma." Lavoisier



segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

A excreção nos animais vertebrados

           

Sistema Excretor e Excreção Comparados

Introdução

A manutenção de um meio interno constante é fundamental para a sobrevivência de todos os organismos.
No entanto, os fluidos corporais podem sofrer alterações em função, principalmente, do ambiente externo e da alimentação, estando sujeitos a variações de pH, da concentração de sais, de resíduos metabólicos, do volume de água etc. O retorno às condições de normalidade é realizado por meio da excreção. É por esse mecanismo que se estabelece o equilíbrio dinâmico no interior do corpo e entre o corpo e o meio ambiente (homeostase).
Através da excreção são eliminadas substâncias tóxicas do organismo (como resíduos nitrogenados provenientes do metabolismo de proteínas) e substâncias não tóxicas que se encontram em concentrações elevadas em determinado momento. As estruturas ou órgãos excretores são responsáveis ainda pelos
controles hídrico e de sais do organismo (osmorregulação ou regulação osmótica).

Excretas nitrogenadas

A maioria dos alimentos que os animais ingerem contém três componentes nutricionais principais:
carboidratos, lipídeos e proteínas, além de quantidades menores de ácidos nucléicos. Quando os
carboidratos e os lipídeos são metabolizados, há formação de CO2 e água como produtos finais da oxidação. O metabolismo oxidativo de proteínas e de ácidos nucléicos também produz CO2 e água, mas
além disso, o nitrogênio ligado quimicamente a esses nutrientes leva à formação de alguns produtos que contêm nitrogênio, sendo os de maior interesse a amônia, a uréia e o ácido úrico.

Alguns animais eliminam também outros tipos de
compostos nitrogenados. É o caso de peixes
cartilaginosos, que excretam quantidades
consideráveis de óxido de trimetilamina –
substância solúvel mas atóxica –, ou das aranhas,
que eliminam guanina (purina) – substância menos
solúvel que o ácido úrico.

A digestão de proteínas fornece aminoácidos que serão utilizados, em parte, na síntese de novas proteínas pelo organismo e em parte, como fonte de energia. No segundo caso, os aminoácidos perdem o radical amina (NH2), resultando na produção de amônia (NH3).
Os ácidos nucléicos contêm dois grupos de compostos nitrogenados: as purinas ou bases púricas (adenina e guanina) e as pirimidinas ou bases pirimídicas (citosina, timina no DNA e uracila no RNA). Em alguns animais, as purinas são excretadas na forma de ácido úrico (que também é uma purina) e em outros, a estrutura da purina é degradada em vários intermediários ou em amônia. Nos vertebrados superiores, a degradação das pirimidinas leva à produção de amônia.

A amônia é uma substância tóxica e altamente solúvel, que se difunde facilmente através dos tecidos animais. Desde que haja grande quantidade de água disponível, não há maior dificuldade em liberar amônia. Nos animais aquáticos, por exemplo, esta pode ser eliminada diretamente para o meio ambiente sem muitos problemas. No entanto, alterações do meio podem provocar algumas adaptações fisiológicas.
Por exemplo, os peixes ósseos pulmonados (de água doce) deixam de ter a amônia como excreta principal quando a água do meio seca, passando a excretar principalmente uréia (menos tóxica e menos solúvel).
Os animais terrestres, como não dispõem de quantidades relativamente grandes de água, precisam converter a amônia em outro tipo de substância menos tóxica e menos solúvel, como a uréia ou o ácido úrico. Nos animais vertebrados, a amônia pode ser convertida pelo fígado em uréia através do ciclo da uréia ou da ornitina, ou então em ácido úrico, através do ciclo do ácido úrico. O ácido úrico, por ser praticamente insolúvel em água e ainda menos tóxico que a uréia, pode ser armazenado por longo tempo, estando por isso, relacionado com a oviparidade em vertebrados terrestres. Os embriões de répteis e aves desenvolvem-se dentro de ovos revestidos com casca, onde também lançam e armazenam suas excretas nitrogenadas. Para estes animais, a excreção de ácido úrico traz duas vantagens importantes: além da economia de água, este tipo de excreta pode ser armazenado no interior do ovo sem causar prejuízo para o embrião.
Portanto, podemos perceber que a excreção predominante de um destes produtos nitrogenados está relacionada com o ambiente que o animal vive. Segundo a predominância das substâncias excretadas, os animais podem ser denominados como amoniotélicos (excretam amônia), ureotélicos (excretam uréia) e uricotélicos (excretam ácido úrico).

Referencia: http://www.bioloja.com/info/mini/apost/Apos_Excrec_Comp_Bioloja_demo.pdf
Visite este site: http://www.bioloja.com/


2 comentários: